Arquivo para julho, 2009

Bruno Carneiro

Posted in Uncategorized on julho 2, 2009 by Eliane Amaral

Contrariando os artigos escritos que hoje em dia pessoas jovens, bem aventuradas e de sucesso não querem ajudar, escrevo aqui sobre um empresário que no meu primeiro e-mail pedindo doações para a festa junina da creche,  já se dispôs a doar e ajudar.

Mesmo estando a milhares de km daqui começou a se movimentar para ajudar no que precisassemos.

brunoComo mineira, já tinha ouvido falar de Bruno Carneiro. Até mesmo porque meus clientes são seus amigos e seu nome está sempre nas colunas sociais e na lista dos empresários jovens de maior sucesso. Sempre a frente de grandes eventos e de empresas .

Meu querido amigo/filósofo fala que muitos são chamados, poucos resolvem fazer! É assim que vejo a maioria dos jovens. Pouco querem fazer e pouquíssimos querem ajudar.

Bruno Carneiro foi nosso anjo da guarda. Tenho certeza que ele receberá em dobro o que fez pelas nossas crianças!

Para você, Bruno, coloquei esse texto que amo! Obrigada pelo carinho….Te mando as fotos da festa junina, ok?

Muitos dormem.
Poucos despertam…

Muitos reprovam.
Poucos ajudam…

Muitos aproveitam.
Poucos semeiam…

Muitos estudam.
Poucos aprendem…

Muitos determinam.
Poucos executam…

Muitos suspiram pela felicidade.
Poucos se conformam com o suor…

Muitos reclamam.
Poucos cooperam…

Muitos sonham.
Poucos fazem…

Muitos aconselham o bem.
Poucos acompanham-no…

Muitos pedem.
Poucos dão…

Muitos desejam.
Poucos trabalham…

Muitos perturbam.
Poucos servem…

Muitos exigem.
Poucos colaboram…

Muitos esperam.
Poucos se movimentam…

Muitos apelam.
Poucos entendem…

O mundo é uma grande escola de preparação e aperfeiçoamento, em cujas classes o Senhor convida nominalmente a todos para o progresso no engrandecimento comum; entretanto, raros se fazem escolhidos pela cooperação, pelo aproveitamento e pela boa vontade.

ANDRÉ LUIZ
(Do livro Taça de Luz, 13, FCXavier, FEESP)

Anúncios

Sustentabilidade – Uma forma de ajudar quem precisa

Posted in Uncategorized on julho 2, 2009 by Eliane Amaral

As Campanhas Sociais realizadas por algumas empresas são apenas um ato para colaborar com a sociedade a fim de reduzir os impactos causados pelas desigualdades socioeconômicas.

Com o apoio de amigos essas ações tornam-se realidade e cada vez mais pessoas recebem ajuda para se manterem, até que as instituições competentes tenham forças para colaborar com o desenvolvimento e a inclusão dessas pessoas na sociedade. Entre elas crianças, jovens e adultos.

Se você tem interesse em participar envie um e-mail para amaral.eliane@yahoo.com.br e diga como você pode nos ajudar em uma próxima campanha.

Atualmente estamos necessitando de voluntários. Oftalmologista, dermatologista entre outras espcialidades.

Abraços,

Eliane Amaral

Looks Festas e afins

Posted in Uncategorized on julho 2, 2009 by Eliane Amaral

asdhafestas

iasjda

ajkshjsausdjasasdjasijkasjdkasjdaoidjakjsahsdha

Use parte do seu imposto de renda para ajudar crianças carentes

Posted in Uncategorized on julho 2, 2009 by Eliane Amaral

Tudo que se refere a doações é de grande importância para o terceiro setor. Quem milita nas ongs, nas associações beneficentes, nos centros comunitários, etc. sabe que “passar o pires”, além de comum, pode surtir resultados. Receber doações é, para o setor, modalidade tradicional de obtenção de recursos. Importantes entidades e projetos de grande expressão têm nas doações muitas vezes sua única fonte de recursos, e isso não é segredo para ninguém.

Por isso, conhecer os incentivos fiscais oferecidos pela legislação para quem doa é muito importante para quem quer receber doações. Trata-se, para os potenciais doadores, da oportunidade de realizar doações mais “baratas”, pois parte do valor da doação poderá depois ser descontado dos impostos a serem pagos. E mostrar isso a um potencial doador pode ser fundamental para convencê-lo a finalmente realizar a doação.


Doação: conceito jurídico

Inicialmente devemos saber o que são doações. Doação, como diz o Código Civil (artigo 1165), é o “contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra, que os aceita”.

A lei se refere a contrato por causa da necessidade, em princípio, de formalidade na doação. No entanto, há a possibilidade de que este contrato não seja escrito, ele pode mesmo ser tácito, sem qualquer formalidade, da mesma maneira que celebramos um contrato toda vez que entramos num taxi. Segundo a lei (parágrafo único do artigo 1.168 do Código Civil), é possível que este contrato seja meramente verbal se tratar de bem móvel (como dinheiro, p.ex.) de pequeno valor e de entrega imediata.

Além disso, a lei, como vimos, fala de “liberalidade”. O conceito de “liberalidade” se confunde com generosidade, com aquilo que se faz, concede ou dá gratuitamente, sem esperar retorno.


Quais as vantagens?

Um primeiro “incentivo” às doações é concedido pela legislação do Imposto de Renda (IR), que não taxa as receitas provenientes de doações. O IR é um imposto que incide sobre o acréscimo patrimonial. Tanto o doador declara sua diminuição de patrimônio quanto aquele que recebe a doação não recolhe sobre a doação.

Mas os incentivos que realmente interessam estão dispostos em leis específicas, e tem como objetivo encorajar a realização de certas atividades. Tenta-se coibir, em qualquer caso, a doação fajuta, ou fraudulenta, que visa encobrir, sob a alegação de doação, um acordo comercial comum que queira aproveitar-se de incentivo ou encobrir outra forma de aquisição do patrimônio.


As formas de cálculo das deduções

Fundamentalmente, para quem não é contador ou advogado e está se
iniciando no tema, o que se deve entender é a sistemática utilizada para se
calcular o incentivo. Os incentivos acontecem sob a forma de deduções futuras de impostos. Faz-se uma doação hoje e no futuro paga-se menos impostos. Contudo, essas deduções funcionam de duas maneiras diferentes:

a) Dedução no valor do imposto a ser pago. Essa é a maneira que
normalmente redunda em resultados maiores, também é a mais simples. Quem vai pagar calcula quanto deve ao fisco e, depois, diminui desse total o valor da
dedução. Obtém-se assim um “desconto” no valor final, de fácil
aferição;

b) Dedução na base de cálculo do imposto. Essa é a segunda maneira
de abatimento de impostos. De posse dos valores sob os quais deve ser
calculado o imposto a ser pago, o doador abate a doação e, então,
calcula quanto deve pagar de impostos. A dedução é feita, nesse segundo
caso, numa fase anterior à do primeiro caso e significa, em comparação
com a outra, em geral, um menor benefício.


Incentivos Fiscais e Deduções do Imposto de Renda

No nível federal, os principais incentivos fiscais que beneficiam o terceiro setor são possibilidades de dedução do Imposto de Renda, seja do imposto devido ou de sua base de cálculo. Este texto trata apenas desses incentivos. Estados e municípios têm eventualmente também seus incentivos, regulados pela legislação de cada um deles, que variam muito de um para o outro. Não tratamos aqui deles.


a. Deduções de doações de pessoa jurídica para entidades sem fins lucrativos

A lei reserva ao doador pessoa jurídica a possibilidade de doar para entidades que prestem serviços gratuitos em beneficio de seus empregados ou da comunidade onde atue. Tal doação deve ser feita a entidade brasileira, sem fins lucrativos, reconhecida como de utilidade pública e que aplique seus recursos integralmente na realização de seus objetivos sociais. Neste caso, para que seja considerada sem fins lucrativos, não se admite a remuneração dos dirigentes da entidade. O doador pode deduzir o valor da doação de seu lucro operacional, até o limite correspondente a 2% deste, para efeito de cálculo do IR a pagar. A lei que estipula tal doação é a de número 9.249/95 (artigo 13, §2º).


b. Deduções de doações de pessoa jurídica para projetos culturais

Projetos culturais podem se beneficiar de doações dedutíveis do Imposto de Renda do doador.

São duas as formas de doação para projetos culturais: a doação desinteressada e o patrocínio. A distinção entre os dois é que, no caso do patrocínio, a lei reserva a possibilidade de doar em troca de publicidade, institucional ou promocional. Tal não ocorre na doação pura e simples.

Ambas as formas de contribuição, doação ou patrocínio, admitem a dedução integral dessas contribuições na base de cálculo do IR a ser pago, quando da apuração do lucro real da empresa, que vem a ser uma forma específica de cálculo do imposto. Nisso as duas formas de contribuição são tratadas igualmente.

Contudo, além da dedução da base de cálculo do imposto, há também outro abatimento, a ser subtraído, só que ao final, do valor do imposto a ser pago. Nesta modalidade, todavia, os abatimentos são proporcionalmente distintos. Para aquele que patrocina a lei permite abater 30% (trinta por cento) do valor do patrocínio, ao final, diretamente do imposto a ser pago. Para aquele que doa desinteressadamente, a lei reserva abatimento maior, de 40% (quarenta por cento) do valor da doação, diretamente do valor final a ser pago como imposto de renda.

Por fim, em ambos os casos, esta última dedução tem que respeitar um limite, 4% (quatro por cento) do total do imposto devido, não podendo ultrapassá-lo. A princípio pode parecer pouco para quem lê, mas, na verdade é muito alto. Preste atenção no orçamento e impostos pagos pelas grandes empresas e o quanto se pode conseguir com este percentual.

Os projetos culturais devem ser aprovados previamente pelas autoridades competentes e as leis que regulam tal benefício são as de número 8.313/91 (artigos 13, 20, 99, 100 e 101), lei 9.249/95 (art. 5º) e 9.532/97.


c. Deduções de doações pessoa física para projetos culturais:

Da mesma forma como no parágrafo precedente, admite-se a dedução da doação de pessoa física para projetos culturais. Contudo, os limites são maiores, neste caso. Para pessoas físicas admite-se a dedução, do imposto devido, de 80% do valor da doação ou 60% do patrocínio, neste caso respeitado o limite de 6% do imposto devido pelo doador. Regulamentam o caso as leis nº 8.313/91 (art. 12, II), 9.250/95 (art. 22) e 9.532/97.


d. Outras deduções

A legislação prevê ainda outras hipóteses de incentivos fiscais. Embora apenas eventualmente possam beneficiar o terceiro setor, convém citá-las.

Deduções de doações de pessoas físicas e jurídicas para Fundos de Direitos da Criança e do Adolescente

A Lei nº 8.242/91 permite a dedução das doações feitas aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente, desde que sejam devidamente comprovadas. Embora a área incentivada, “criança e adolescente”, seja muito próxima à atuação do terceiro setor, este incentivo beneficia apenas as doações realizada em favor dos fundos controlados pelos conselhos da criança e do adolescente, e nunca diretamente as entidades do terceiro setor. Os doadores, ao transferirem seus recursos para esses fundos, não têm qualquer controle sobre o destino final dos recursos. Esta é a razão pela qual este incentivo quase não é utilizado.

Dedução dos gastos em preservação de bens tombados pelo governo federal

Já a lei 8.313/91, citada acima e que trata de doações para projetos culturais, em seu artigo 24, II, equipara à doação as despesas efetuadas por pessoas físicas ou jurídicas para conservar, preservar ou restaurar bens de sua propriedade ou sob sua posse legítima, tombados pelo governo federal. O que importa no caso é a intervenção do IBPC (Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural) para autorizar a dedução.

Deduções para pessoas físicas em projetos audiovisuais

Limitado até o ano de 2003, é possível à pessoa física deduzir do Imposto de Renda os investimentos que fizer na produção de obras audiovisuais cinematográficas brasileiras de produção independente. Esses investimentos necessitam de autorização específica, dando-se através da aquisição de cotas representativas de direitos de comercialização, que tem que contar, por sua vez, com a obtenção prévia de “Certificado de Investimento”, emitido por autoridade pública competente. A lei que regula essa dedução é a de número 8.685/93.

Outras doações admitidas como despesa operacional

Nesse caso não há dedução do imposto, mas da base sob o qual ele é calculado, diminuindo-o ao final por conseqüência. Tal fato é possível com a doação a instituições especializadas, públicas ou privadas, sem fins lucrativos, para a realização de programas especiais de ensino tecnológico da pesca ou de pesquisa de recursos pesqueiros, desde que sejam previamente aprovados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. O mesmo vale para as doações para programas especiais de ensino tecnológico ou de pesquisa de recursos naturais e de potencialidade agrícola e pecuária, que devem, por sua vez, ser previamente aprovados pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia. A referência legal são os Decretos-lei nº 221/67 e 756/69, e, por fim, a Lei nº 7.735/89.

Para as gordinhas

Posted in Uncategorized on julho 1, 2009 by Eliane Amaral

Odeio essa palavra “gordinha”…Toda mulher com uns quilinhos a mais sabe a dificuldade de encontrar uma roupa que seja adequada com o seu corpo, ou seja, vista bem e que seja bonita e além disso, que escondam as gordurinhas. Ao contrário do que muitos pensam, uma roupa pode sim possuir essas características e para isso não precisa ser discreta, como uma peça preta por exemplo. Seguindo algumas regras de elegância você pode chegar ao visual desejado, reunindo cores e estampas mais variadas e ao mesmo tempo parecendo mais magra.

Manga e Pescoço

Para disfarçar os braços roliços, use sempre peças com mangas. Escolha as mais soltinhas ( tipos morcego ou boca-de-sino), que não repuxam na hora de movimentar os braços, sendo assim ao mesmo tempo confortáveis. Outra opção é recorrer a xales ou echarpes. Também invista em belos colares, pois assim eles chamam a atenção para o colo desviando assim o foco da indesejada barriguinha.

Jeans e salto

Na hora de comprar um jeans, escolha sempre os modelos de tom mais escuro e corte reto, deixando a barra tocar no peito do pé. Esse detalhe já fará você parecer bem mais magra. Nos pés, sandália ou sapato de salto alto são ótimas armas para enxugar as medidas, dando a impressão de pernas mais finas, assim deixam a silhueta mais fina e elegante. Mas nada de escolher saltos finos, pois, para ficar perfeito em você, o salto deve ser proporcional ao seu corpo. Ou seja: quanto mais cheinha você for, mais grosso ele deve ser também.

Preto moderado

Invista nas cores mais escuras. Porém isso não quer dizer vestir-se de preto dos pés à cabeça. Use uma base preta com outras cores por cima para dar um destaque. Recorra também ao marrom, cinza-escuro, verde-escuro, azul-marinho e roxo. Além disso, peças compridas são ótimas para ajudar a disfarçar os pneuzinhos. Por isso, use casacos com modelagem sempre reta e comprimento na altura dos joelhos.

Modelos adequados

Aposte em blusas transpassadas, pois estas marcam a cintura lá em cima e deixam a parte de baixo mais soltinha e menos à mostra, escondendo os pneuzinhos e fazendo com que a silhueta dê uma bela afinada. Também invista em blusas que destaquem o seu ombro, como aquelas com decote canoa. Elas aumentam o tamanho dos ombros, enxugando as medidas da cintura. Mas esqueça a frente-única. Apesar de chamar a atenção para a região, ela dá efeito contrário.

Túnicas X legging

Esse modelo de blusa é perfeito para disfarçar o tronco. Aproveite o frio para usar as túnicas em parceria com uma legging escura, comprando apenas as peças com seu número exato, para evitar sobras que deixam as pernas com aparência mais roliça, quando elas são menores marcam ainda mais as gordurinhas, o que a faz parecer maior.

Listras + saias

As listras podem ser grandes inimigas ou aliadas perfeitas. Aposte apenas nas listras verticais, que podem ser estreitas ou grossas, pois estas alongam a silhueta. E esqueça as horizontais, que alongam a silhueta horizontalmente. Já na hora de escolher a saia, escolha peças que tenham o cós mais alto, porque eles escondem a barriga. Os modelos drapeados também são uma boa pedida: eles desviam o olhar da flacidez.

Valorize pernas e quadris

Aposte em saias e vestidos nos modelos evasê, que disfarçam os quadris sem marcá-los. Peças com recorte em A e cintura mais alta também favorecem as suas medidas. Mulheres que estão acima do peso em geral têm pernas muito bonitas. Se esse é o seu caso, coloque-as à mostra, investindo em saias ou até minissaias que ressaltem essa parte que você tem de mais bonita.

Bolsão, sim. Cinto, não

Aproveite que elas estão em alta e invista em bolsas grandes. Quanto maior o modelo, mais ele a deixará enxuta. Quando a bolsa é muito pequena, dá a impressão de que você está mais acima do peso. Mas atenção: não vá sair carregando uma mala. Também evite marcar a cintura, pois esta é exatamente a região que você pretende esconder. Por isso, não coloque a blusa para dentro de saias ou calças, e esqueça os cintos e as faixas. Eles não farão a menor falta em seu look.

Colo em evidência

Vestidos decotados ajudam a alongar a silhueta e, por isso, disfarçam os quilinhos a mais. Modelos com decote em V valorizam os seios grandes e destacam a região do colo. A manga solta é infalível para esconder os braços gordinhos. Se a peça for transpassada, então, vai enxugar todas as suas medidas! Lembre-se: o colo em evidência é uma poderosa arma para quem está acima do peso. Assim, você desvia a atenção da barriguinha.

Estampas finas

Embora as peças escuras sejam as mais recomendadas para quem está acima do peso, aquelas com estampas pequenas, sobretudo com um fundo escuro, também ficam bem. Outra dica que ajuda a enxugar as medidas é usar estampas só na parte mais magra do seu corpo e peças lisas nas regiões em que você é mais cheinha. Isso fará um efeito e tanto sobre o espelho!

gordinha21 Moda para Gordinhas

gordinha31 Moda para Gordinhas

gordinha5 Moda para Gordinhas

gordinha7 Moda para Gordinhas

gordinha4 Moda para Gordinhas

gordinha61 Moda para Gordinhas

Casamentos – Luxo Total

Posted in Uncategorized on julho 1, 2009 by Eliane Amaral

Os preparativos de um casamento levam tempo, exigem bom gosto e requerem muito, muito dinheiro. No Paraná, de acordo com o tamanho da cerimônia e com o luxo pretendido, as cifras são estratosféricas e chegam ao valor de um bom apartamento.

É fácil imaginar porquê: vestido, música, flores, iluminação, bufê, bolo, convites, lembrancinhas, viagem de lua-de-mel, noite de núpcias, serviços de fotografia e filmagem… E olha que esses são os elementos básicos para qualquer casamento com mais de 100 convidados. Mas quem quer – e pode – acaba indo além e contando com serviços especiais, como o aluguel de carros antigos para a noiva entrar na igreja, a contratação de bartenders e bandas famosas e o dia da noiva em salões de beleza especializados.

Requinte na refeição
O bufê é um capítulo à parte. Julio César Hezel, sócio-proprietário da empresa curitibana Nuvem de côco conta que há três anos realizou um casamento cujo cardápio incluía lagostas imperiais e camarões e o custo chegou a R$250 por pessoa. “Outro casamento luxuoso que realizei foi na cidade de Piraquara (interior do Paraná), pois este começou de tarde, com um lanche para os convidados; depois do casamento civil fizemos um bufê de tortas e, à noite, depois do religioso, foi servido o jantar. Essa festa começou às 14h e foi até às 3h!”, recorda.

Julio César acredita que já se foi o tempo em que luxo em um casamento era um farto bufê. “Acho que não importa o excesso de comida, mas a qualidade e a apresentação desta. Saber combinar bem os elementos da festa, como as flores, as louças e as toalhas demonstra bom gosto”, conclui.

Além dos pratos salgados, os doces são uma atração à parte em qualquer festa. A chef de pâtisserie Viviane Malucelli conta que já elaborou uma mesa – com cinco mil doces e três mil sobremesas para um casamento para 1.400 pessoas – que custou R$ 23 mil. “E também já fiz uma pirâmide de mini-bolos para um casamento no lugar do bolo. Era uma festa para 1.200 convidados. Foram mil mini-bolos com três rosas de açúcar colocadas a mão em cada um deles. Esse bolo custou R$ 6.500”, completa.

O espaço onde o casamento vai acontecer também deve ser marcante. Que tal então, realizar a festa em um palácio? Em Curitiba, isso é possível. Pagando cerca de R$ 20 mil pelo aluguel, pode-se usar todos os ambientes do Castelo do Batel, sede dos matrimônios mais luxuosos da capital paranaense.

Para melhor organizar

Como os detalhes são muitos, há quem prefira contratar produtores de eventos ou empresas de cerimonial para ajudarem a dar conta do recado. “Nós poupamos o tempo do cliente e isso já é um luxo”, conta o produtor Dado Dantas. Ele diz que seu trabalho funciona como o de um maestro, que cuida para que a orquestra funcione de forma harmoniosa e para que tudo fique com o jeito dos noivos.

Mas não é só na hora de coordenar a equipe que esse tipo de profissional é importante: é ele também quem traz as maiores novidades e lança modas em casamentos. “Tempos atrás, a moda era distribuir sandálias de dedo para as convidadas ficarem mais à vontade. Hoje, já levamos até equipes de fisioterapeutas para fazerem massagem nos pés!”, conta Dado.

Outra novidade luxuosa é colocar charutos no banheiro masculino e garçons servindo champanhe no feminino. “Hoje, o que se destaca é o detalhe. O luxo está na atenção que os convidados recebem”, define.

Esse atendimento fica na memória de noivos e convidados, mas tem seu preço. E ele pode variar de R$60 a R$2000 por pessoa (o que pode chegar a um valor total de mais de um milhão de reais), segundo Dado. “Costumo dizer que, para realizar uma festa de casamento, em termos de valores, o céu é o limite”, brinca.

Vou me casar!

Posted in Uncategorized on julho 1, 2009 by Eliane Amaral

88573351Recebi essa notícia de uma grande amiga. Logo ela que era uma solteira independente e feliz com a vida de solteira. Baladas, Viagens, Compras…Mas, chegou sua vez!

Bom, ela me pediu ajuda para começarmos a organizar seu casamento, que segundo ela precisa ser o melhor e único da sua vida. rsrsrs

Conversando com ela, ponderei algumas coisas e resolvi dividir com vocês.

Ninguém deve fazer um casamento para os outros, siga seus instintos e desejos. Não deixe que a opinião dos outros apague seus sonhos.

Os convidados precisam ser pessoas que vocês gostem. Tudo bem que alguns serão convidados dos seus pais. Todo casamento precisa ter um orçamento definido e, a lista de convidados não poderá fugir deste orçamento, claro! Lembrem-se que, cada pessoa que vocês adicionam mais cara ficará a festa.

Seja PONTUAL. Não tem nada mais chique que noiva que chega na hora. Demonstra carinho e respeito pelos seus convidados. No máximo atrase 10 minutos.

Relaxe, por mais difícil que seja! Noiva com rugas e doenças psicossomáticas é pavoroso!!!

Check List para Noiva

Geral

• Definição da data do casamento
• Local para cerimônia religiosa (igreja)
• Local para cerimônia civil (cartório)
• Local para recepção, festa do casamento (salão, sítio, residência)
• Assessoria de casamento (profissional que ajuda a noiva nos preparativos)
• Documentação para o casamento
• Lista de convidados (nome/sobrenome/endereço)
• Escolha de buffet
• Escolha de padrinhos
• Convites personalizados para padrinhos
• Escolha de damas e pajens
• Convites do Casamento
• Subscrição do convites (calígrafo)
• Escolha do vestido de noiva (provas/alterações)
• Véu e Grinalda da noiva
• Sapatos (provas/alterações)
• Buquê (noiva e damas)
• Prova de maquilagem/cabelo da noiva
• Jóias/acessórios
• Roupas íntimas
• Roupa do noivo (provas/alterações)
• Enxoval da noiva e do noivo
• Exame Pré-nupcial
• Chá-bar e/ou Chá de cozinha
• Lista de presentes de casamento
• Decoração da casa
• Transporte da noiva para a igreja
• Transporte dos noivos para recepção

Cerimonia religiosa

• Celebrante (padre, pastor, rabino, etc)
• Cerimonial (profissional que ajuda a conduzir a cerimônia – entradas, músicos, brindes, valsa)
• Conhecimento das regras da igreja (música, arroz, etc)
• Ensaio na igreja (se possível)
• Músicos / Coral e Orquestra (vozes, instrumentos, pianista, etc.)
• Definição dos trajes dos padrinhos
• Definição dos trajes das daminhas e pajens
• Aluguel (candelabros, tapetes, etc)
• Decoração
• Florista (cor / estilo)
• Foto / filmagem
• Alianças dos noivos

Recepção / Festa

• Número de convidados
• Aluguel do espaço para recepçãol (salão, sítio, etc)
• Tipo de serviço do buffet (americano, à francesa, etc)
• Menu (cardápio)
• Bolos e doces
• Bebidas (definição/quantidades)
• Tipo de mesas/cadeiras
• Decoração (flores, toalhas, etc)
• Lembrancinhas do casamento
• Música e músicos
• Som / Telão / Iluminação
• Palco / Pista
• Quantidade de garçons
• Manobristas
• Seguranças
• Limpeza (mesas, banheiros)
• Coordenador para checar se está tudo ok

Decoração / Florista

IGREJA RECEPÇÃO
• Porta da igreja
• Altar
• Bancos
• Corredor
• Buquê
• Lapela
• Porta
• Salão
• Mesa principal
• Mesa convidados
• Mesa do bolo
• Lavabos

Música

IGREJA RECEPÇÃO
• Eletrônica / ao vivo
• Entrada do noivo / padrinhos
• Daminhas e pajens
• Entrada da noiva
• Sermão
• Pedido
• Benção das alianças
• Cumprimentos
• Saída dos noivos
• Eletrônica / ao vivo
• Entrada/cumprimentos
• Durante a festa
• Valsa dos noivos
• Valsa dos pais
• Valsa dos padrinhos
• Outras

Foto/Vídeo

• Casa da noiva
• Casamento Civil
• Pais e padrinhos
• Casamento Religioso
• Recepção
• Fotos externas
• Album
• Cópias extras
• Ampliações
• Fotos p/ porta-retrato

Lua de Mel

• Destino
• Montar roteiro(s)
• Agência de turismo (reservas e aluguel de carro)
• Roteiro de passeios
• Passaportes
• Câmbio de moeda estrangeira